Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Uma Questão De Perspectivas

Parece que a blogosfera está a atravessar, novamente, uma daquelas fases de desinspiração, de marasmo, de não-sei-que-hei-de escrever. Há alturas em que somos apanhados desprevenidos e entramos numa espécie de limbo "escritural", pairamos sobre um tema mas depois não arranjamos as palavras ideiais para transpor a ideia para um post. E depois ainda há os afazeres profissionais em excesso, a astenia traziada pela primavera (qual primavera?!) e os problemas pessoais que nos fritam a mioleira.

 

Eu estou numa fase de semi-desinspiração. Eu traduzo: escrever até escrevo, mas não sai nada de jeito. E só me apetece é escrever parvoíces que não interessam a ninguém e cenas ridículas para me rir que nem uma estróina.

 

Quando estou numa fase hiper-trabalhosa, a mim dá-me para rir. Daqueles risos que ficam todos a olhar para nós a pensar "aquela pirou da batatinha!". E é isso que me apetece fazer mesmoa agora. Só um momento... (risota). Pronto, já voltei ao normal (?!).

 

 

Andei a vasculhar as minhas imagens para ver se encontrava alguma coisa engraçada, que nos fizesse rir e descomprimir um pouco do stress. Quando os meus olhos se depararam com esta, caí numa gargalhada maluca. Todos pensaram que me tinha dado alguma coisinha má.

 

Aqui está ela. Riam-se um bocadinho, vá.

 

Só podia mesmo sair disto, não?{#emotions_dlg.clown}

Estou Com Uma Dor De Cotovelo...

 

Mas estou mesmo. E com falta de tempo. E com reeeesmas de trabalho. Ainda. Estou a escrever este post enquanto tomo o pequeno-almoço e me preparo física e psicologicamente para mais uma maratona de testes até chegar a hora de ir para o colégio.

 

Neste momento estou a precisar de um esqueleto novo. Continuo mal da cervical, com dores na coluna e com dores de... cotovelo! Já viram isto?! Era uma dor que dispensava perfeitamente. E nem sei porque motivo estou com dor de cotovelo. Será por causa da correcção dos testes? Mas as notas até têm sido muito boas... hummm. Se as notas estivessem a ser muito más até podia bater com os cotovelos na mesa zangada, mas não. 

Será que o stress me está a sair pelos cotovelos? Bom, se for para sair de vez, eu aguento a dor! Lol!

 

Anyway, com ou sem dor de cotovelo hoje é dia de montagem de exposição lá no colégio. Vou ver se assim me desaparece a dor de cotovelo.

 

Se não tiverem mais nada para fazer, have a nice weekend!

 

 

Até Mais!

Ultimamente tenho tido conhecimento de imensas mortes aqui em redor. Da minha tia que tanto gostava, de pessoas conhecidas e de outras mais desconhecidas. Algumas dessas mortes têm-me perturbado de alguma maneira.

 

Um dia destes fui almoçar com o meu pessoal ao restaurante de um amigo do meu pai. Aí encontrei um homem que, mesmo rebuscando no baú das minhas memórias, não me lembrava dele. Talvez porque era muito miúda, talvez porque nunca o vi com olhos de ver. Mas ele conhecia-me bem.

 

Começámos a buscar palavras que nos levaram a outros tempo, a reviver momentos, a recordar histórias. Minhas, do meu irmão, do meu pai, do meu saudoso Tio Frade… E eu era a menina. A que ia ter com o pai quando vinha da escola. Aquela que o pai levava para a escola.

 

No sábado passado o R. – o homem - foi encontrado morto em casa. Fiquei muito sensibilizada com esta partida da vida. Tive pena. O R. perdeu-se nalguns caminhos da vida e, talvez por isso, o destino levou a melhor. O meu pai, algures na vida, deu-lhe a mão, assim como outros amigos. Mas é pena ver que, quando a barca de Caronte chega para nos transportar, não temos família na margem para nos dizer adeus, não temos família para nos lançar flores à água. Valem então os amigos, a nossa família do coração que escolhemos a dedo.

 

Até um dia R., e quando encontrares o tio Frade, manda-lhe um beijo aqui da “menina”.

 

 

Alguém Tem Um Tempinho Que Me Empreste?

Esta semana tem sido de arrasar! Testes para um lado, avaliações para o outro e ainda o Projecto de Escola para ir para a exposição! Socorro!

 


Há dias em que me apetecia fazer picadinho de aluno, principalmente quando são aqueles que têm a mania que são engraçadinhos e cujos pais não compreendem a avaliação do seu filho porque devem viver num submundo e considerar o seu rebento o máximo! Adiante!

 

Ontem foi um dia prolífero em baboseiras de alunos. Uma teacher até fica traumatizada!

Um dos meu manuais tem, no fim da unidade, um minibook. As história têm a ver com os temas estudados e são engraçadas. Para a aula de ontem estava planeado trabalhar o minibook. Mas em vez de o lerem, ouviram o CD.

No fim, perguntei se toda a gente tinha entendido e se havia alguma palavra que desconheciam (a linguagem era simples e repetitiva).

 

Vejo uma mão levantar-se. "Sim, coisinho, diz lá o que não entendeste..."

Com cara de parvo e sorriso estampado disse-me "não percebi nada do que o senhor disse no Cd..."

Opá, passei-me! Levou logo com "não percebeste nada porque não estiveste atento à leitura enquanto estavas a ouvir o CD! Além disso está sempre a repetir a mesma coisa!". É que até os alunos mesmo muito fracos e com dificuldades, perceberam tudo!!!

 


Na minha turma do Zoo, como sempre, tenho de dar lições de moral e persuadi-los a fazer os TPCs. Os filhos não quere saber de trabalhar em casa e os pais muito menos porque "dá trabalho" e quem se lixa sou eu porque ando ali a remoer a matéria porque não posso avançar sem os meninos saberem.

Após verificação dos TPCs, houve um aluno que é bastante bom, uqe voltou a não fazer os TPCs. Mais uma liçãozinha de moral e um empurrãozinho à motivação e o menino responde-me o seguinte: "quando eu for para o centro de estudos depois faço os trabalhos todos!"

 

Caí redonda no chão (apenas em imaginação). Fico estupefacta com estas coisas e depois levou logo com "os teus pais vao gastar dinheiro numa coisa que é obrigação tua. Se não trabalhas em casa é porque não queres e não é no centro de estudos que vais aprender mais do que aprendes aqui".

É que os centros de estudos estão na moda e mesmo que sejam um logro, é in ir para lá gastar rios de dinheiro quando uma rotina de estudo diário pré-estabelecida, poderia fazer milagres. Mas dá trabalho...

 


Hoje estou com os neurónios triturados. Vou meter o sorriso nº 22 na cara e ir trabalhar feliz e cuntente!!! Argh!

 

Have a nice weekend!

 

Um Sábado, Uma Amigdalite E Muitas Voltas.

 

 

Como os meus ovos do pescoço não querem remeter-se à sua insignificância, tive de recorrer, de novo, a ajuda médica.

 

Na sexta-feira não tinha hipótese de ir à minha médica, a não ser que faltasse às aulas e depois fosse despedida, e urgências (SAP) no meu centro de saúde só ao sábado.

 

Levantei-me cedo para me dirigir ao centro de saúdo e ser observada por um médico. Entre o tirar senha, fazer a inscrição e fazer conjecturas acerca das doenças dos outros, gramei 45 minutos de seca até ser chamada para ir até um gabinete.

 

Apanhei uma médica muito simpática que me disse logo que no meu galinheiro – entenda-se garganta – o ovo de um lado era uma amigdalite e do outro era uma “papeira”. “Papeira?! Mas Sra. Dra. Eu tive papeira dos dois lados quando miúda…!”

“É uma papeira mas não é viral”, fiquei na mesma. Será que ela não queria dizer uma “papada”? Conversa para aqui, conversa para ali e um dos ovinhos podia ser uma “parodontite”.

 

Bom, a médica entendeu que eu teria de ser observada com urgência por um otorrino. Escreveu uma carta fechada para que eu entregasse no hospital assim que lá chegasse.

O único hospital em que tinha otorrino era o de São José. Ainda bem que não era o hospital a que pertenço senão ainda lá estava esta hora!

 

Atravessei Lisboa de metro, com um dia de sol espectacular como estava, ganhei fôlego para subir a calçada até ao hospital e coragem para secar nas urgências…

Fiz a inscrição e fui à triagem num minuto, depois fui sentar-me à espera que me chamassem. Passei o tempo entretida a ver um velhote ser endrominado pela máquina dos cafés, até que decidiu ir comer uma “bucha” a outro lado.

 

Meia hora depois de ter entrado no hospital, fui chamada. Luzinhas e espátulas ouvidos e boca adentro e ainda um espelhinho igual àqueles do dentista, aquecido e enfiado goelas abaixo… bolas, que aquilo estava quente!!!

 

Resultado: a infecção da amigdalite passou para os gânglios cervicais (não sei porquê mas não gostei nada disto…!). Novo antibiótico e novo anti-inflamatório e visita obrigatória e urgente à médica de família, no prazo de três dias caso os ovos não derretessem desaparecessem.

 

Os meus ovinhos estão mais baixo mas ainda não desapareceram. Estou com um pouco de receio do que possa acontecer se não desaparecerem. E ainda mais receio tenho se isto resolver causar mais algum “efeito colateral”, digamos assim…

 

Ai Tanto que Eu Gostava Deles!

 

Fiquei hoje a saber que estes meninos estavam em Lisboa para um concerto. Que se tinham voltado a reunir e andavam por ai a reavivar memórias, a encher os corações de romantismo (lembram-se da onda dos New Romantic?), e quiçá a dar balanço a algums franjas que continuem a subsistir desde os anos 80...

 

Eu adorava os Spandau ballet. E os Duran duran. Mas por agora dedico-me apenas a este grupo.

Eu era uma chavaleca mas sabia as músicas todas deles de cor (e ainda sei...!). E como boa pretendente a futura cantora, pegava na escova de enrolar o cabelo ou outra coisa que se assemelhasse a um microfone, e levava os dias inteiros na cantoria a treinar a voz, as fixar letras e a azucrinar os ouvidos de quem não me quisesse ouvir. Ahahah!

 

Lembro-te de ligar o rádio na Rádio Comercial e pôr a cassete a jeito para gravar as músicas favoritas. E aproveitava para fazer isto quando estava a lavar a loiça. Qual Cds, Mp3 ou gadgets do género! Era a bela cassete - que, de vez em quando, rebentava a fita e lá se remendava com fita-cola - que fazia os delírios da malta. Mesmo com os sons roufenhos das interferências de alguma mota que passava na hora da gravação e lá mexia com as ondas da rádio e deixava a sua marca indelevelmente marcada nas nossas músicas preferidas...

 

Ai que nostalgia. Às vezes era bom podermos voltar um bocadinho atrás no tempo e voltar a viver certos momentos. Os 80s eram uma dessas alturas!

Mas Onde é Que Encontro...

os vernizes da China Glaze aqui em Portugal?

 

Esta marca tem cores espectaculares e diferentes. Mas não sei se a marca existe em Portugal.

Andei à pesca na net e coloquei aqui algumas cores. Nem todas as cores eu usaria mas que são giras, são!

Vá, desbronquem-se lá se souberem onde andam estas maravilhas. E se já usaram, digam o que acham da marca.

 

 

Have a nice weekend!

Balanço Do Regresso.

 

 

Hoje foi o segundo dia de trabalho pós-amigdalite (pós o caraças, mas pronto!).

Alunos excitadíssimos porque a teacher já voltou, 300 macaquitos pendurados ao meu pescoço ansiosos para me beijarem e serem beijados. E a teacher tão doentinha...

 

Pensei que os dias fossem piores. Os miúdos sabem respeitar quando a teacher está doente e praticamente não fizeram barulho. Trabalharam que se desunharam de forma autónoma para tentarmos colmatar as minhas faltas. E assim também poupei um bocadinho a minha garganta.

 

Esta altura não foi nada jeitosa para faltar porque:

 

- estamos em época de pré-teste;

- falta acabar de leccionar a matéria prevista para o teste;

- existe a prenda, ou como dizem as VIPs, os presentes, para o Father's Day para elaborar;

- há que preparar a actividade para Easter;

- há relatórios de avaliação para preencher;

- a teacher vai pirar da batatinha;

- há o receio de não se conseguir chegar à 100ª lição (façamos figas para que a techer não falte mais. Queremos bolo! Queremos bolo!).

 

Mesmo assim, no meio disto tudo, tem havido uns raiozinhos de sol para alegrar os dias e relembrar que nem tudo é menos bom, digamos assim!

 

 

 

Bem-vindos à Minha Nova Casa

Ah pois é! Eu disse, re-disse e voltei a dizer mas a coisa nunca mais nascia. Mas não foi por não ira aos treinos! Não.

Treinei, experimentei, mexeriquei, modifiquei, pus aqui, tirei ali mas nunca ficava ao meu gosto.

 

Depois era a cor. Apetecia-me um laranjinha, um verdinho clarinho, um azulinho... Gostava que tivesse isto e aquilo e mais o outro. Mas nada me satisfazia.

 

Ontem meti mãos à obra e disse aos meus dedos que desta vez tinha de ser. Escolhi o laranjinha, meti a borboleta a dividir os posts (gostei tantinho!) e meti as "rendinhas" que me apetecia. Queria que este template fosse diferente daquilo que eu já tinha feito. Podia ter ficado melhor porque ideias não me faltam mas faltou-me a paciência e o tempo.

 

E o resultado foi este. Que tal? Acham que ficou engraçado? Aceito críticas!

Pág. 1/2